domingo, 14 de maio de 2017

A revelação da vontade de Deus - Discipulado com Jesus #2


#02 – Jesus envia – A revelação da vontade de Deus

Algum tempo atrás um pregador aplicou um sermão usando o texto de 2 Crônicas 18. Posso estar enganado, mas creio que ele leu todo o capítulo e quando ele chegou ao versículo 17 eu fiquei na expectativa, pois do versículo 18 – 22 contém um grande mistério sobre a vontade de Deus e neste trecho em uma reunião ele (Deus) chama um espírito para enganar o rei fazendo-o morrer numa batalha, enfim, um texto polêmico para quem nunca estudou e precisa ser ensinado com um pouco mais de cuidado. Ao chegar no versículo 17 o pregador me assustou, ele pulou do versículo 17 para o 23!

O problema acima não fica restrito apenas a este texto, temos muitos assuntos na bíblia que devem ser tratados e ensinados a toda igreja, mas são exatamente deixados de lado e negados pois exigiria como alguns dizem, um pouco mais de maturidade para que todos entendessem. Bem, para mim a igreja pelo seu tempo de vida já deveria ter maturidade suficiente para compreender e ensinar estes assuntos, mas não é exatamente sobre isso que vamos tratar hoje. E sim sobre o fato de que aos olhos de Jesus todos os discípulos deveriam aprender as suas palavras, seja ela boa ou não, e a partir disso dar frutos para o reino de Deus. Isso exige que ensinemos muito mais do que salmos e bênçãos, exige conhecer tudo sobre a nossa própria história e aplicar isso para o crescimento do reino de Deus. O contrário desse movimento faz com que as pessoas sejam sempre “imaturas” espiritualmente e, portanto, não descubram como realizar o seu chamado pessoal. Digo pessoal porque Deus usa cada pessoa de uma maneira única, mas todas elas são usadas para o mesmo objetivo. O de espalhar as boas novas do evangelho do Reino de Deus.

Foi isso que Jesus fez, saiu para chamar seus discípulos enquanto pregava o arrependimento, deu a eles a missão de “pescar homens” como descrito em Lucas capítulo 5 e os enviou. Não apenas os doze, mas todos os que estavam com ele, o texto nos diz setenta, mas acho bem difícil lembrar que eram exatamente setenta presentes no meio daquela multidão na época em que Lucas fez o seu relato, o fato mais importante aqui é que Ele os enviou, quem? Os seus discípulos! Os que estavam com ele  foram enviados para pregar a mensagem do reino! O texto deste estudo começa assim:

“Depois disso, o Senhor escolheu outros setenta e dois discípulos e os enviou adiante, dois a dois, às cidades e aos lugares que ele planejava visitar. Estas foram suas instruções: “A colheita é grande, mas os trabalhadores são poucos. Orem ao Senhor da colheita; peçam que ele envie mais trabalhadores para seus campos. Agora vão e lembrem-se de que eu os envio como cordeiros no meio de lobos.” (Lucas 10.1-4 – NVT – alguns manuscritos dizem 70 outros 72 sobre a quantidade enviada)


Uma consideração importante: Foram enviados os primeiros setenta e Jesus os pediu que Deus enviasse mais; portanto Jesus não enviou os setenta ou setenta e dois porque escolheu essa quantidade pelo número, provavelmente ele pode ter selecionado alguns dos mais experientes enquanto os outros ficariam com ele ainda aprendendo. Isso deixa claro que não existe aquela velha história de que algumas pessoas foram chamadas para o evangelismo e outras para o pastoreio, não! Todos foram chamados para o evangelismo, seja realizando isso através do pastoreio ou da música, ou até mesmo… do blog… fomos chamados para uma única missão!


Então como fazer e o que fazer?

O capítulo dez de Lucas contém cinco seções, falamos até agora das duas primeiras e as próximas são: 3 – Informações sobre missão geral: Lucas 10.5-12; 4 – Castigo para locais onde o evangelho não é recebido: Lucas 10.13-15 e 5 – Sobre Salvação e condenação: Lucas 10.16 (ref. 9.26). Trataremos brevemente sobre estas três seções e desde já eu indico que você estude separadamente cada texto para que o próprio Espírito Santo revele sua verdade neste texto.

As informações gerais sobre nossa missão nos diz basicamente que devemos faze-la sem nos preocuparmos com como viveremos, na realidade dos discípulos isso incluiria também a alimentação pois eles precisavam realmente sair de suas cidades para pregar e isso envolver tempo, caminhada, alimentação e etc. Hoje, em nosso contexto não é tão necessário, apesar de ser ótimo, sair de casa para tão longe ou em uma missão que duraria tanto a ponto de precisarmos esperar que o Espírito Santo nos traga alimento. Podemos fazer no local de trabalho, entre amigos e até mesmo na própria igreja e a internet. Duas considerações importantes sobre a seção 3.

1 – Esta seção diz que um mensageiro deve primeiramente levar a paz, ele ensina isso dizendo “digam primeiro: ‘que a paz de Deus esteja nesta casa’.” (v.5) Importante pelo fato de que muitos saem pela rua pregando o inferno e a condenação quando o que foi pedido é que preguemos “boas novas” e isso já começa desejando paz para quem recebe a mensagem. Jesus ensina ainda que o mensageiro deve fazer milagres onde for bem recebido e isso aqui inclui sinais miraculosos, mas não excluí sinais simples como cuidado e ensino ou demonstração de amor ou qualquer ajuda que faça diferença para uma família ou cidade. O que fica por alto é que devemos fazer parte da diferença e assim ensinar que essas coisas fazem parte do reino de Deus. Esse é o nosso evangelismo prático.
2 – Não devemos nos preocupar com o resultado da pregação. O ponto aqui não é convencer a todo custo e sim levar a mensagem, de alguma forma, da forma como você consegue. Os resultados não são nossos, são para Deus e ele nos mostra isso ensinando: “Mas, se uma cidade se recusar a recebe-los, saiam pelas ruas e digam: ‘limpamos nossos pés até o pó desta cidade em sinal de reprovação. E saibam disto: O reino de Deus chegou! Eu lhes garanto que…’”. (v10-11). Aqui o início do versículo 12 mostra que Deus mesmo irá tratar destes assuntos, bem como o fato de punir aqueles que não quiseram receber o evangelho, portanto não é nossa missão punir, apenas pregar.

Seguidos desses passos Jesus usa como exemplo as cidades de Corazim e Betsaida, onde Jesus realizou milagres e o evangelho não foi aceito. Aqui há um ensino que conseguimos aplicar ainda hoje se observarmos como é simples e fácil conhecer o reino de Deus. Não há nenhuma dificuldade para ser parte dele, basta ouvir a mensagem se arrepender e buscar o reino através de Jesus, aqueles que rejeitam esta mensagem estarão fadados ao inferno por ter negado uma mensagem simples, acolhedora e de salvação. Ele basicamente está comparando as épocas onde ser salvo era difícil e outras pessoas aceitaram com o fato de hoje ser simples e ser rejeitado. (v. 13-15)

Para finalizar as cinco seções Jesus nos lembra que aceitar a mensagem significa aceitar o dono da mensagem e aceitando o dono estamos aceitando o próprio Deus. Mas aqui há uma ressalva muito importante pois é imprescindível que esta mensagem seja a de arrependimento, não as mensagens falsificadas do evangelho que ditam riquezas material ou aquelas de morte e perdição, há de se levar em conta que sabendo o mínimo sobre a bíblia temos material suficiente para dizer que a mensagem é basicamente arrependimento e busca levando assim o ouvinte a ser aceito pelo próprio Deus, não o contrário. Negar esta mensagem ou pregar outra mensagem é o mesmo que negar Jesus e isso também leva o mensageiro à condenação caso não haja uma conversão verdadeira. Isto mesmo, aqueles que pregam outra mensagem na verdade nunca tiveram um encontro verdadeiro com Deus, precisam receber o evangelho tanto quanto aqueles que ainda não o ouviram. Aqui Jesus mostra o quão sério é ser cristão em duas partes, primeiro devemos levar a sério o que levamos e como levamos e em seguida como ele se mostra sério em relação aqueles que o negam até mesmo através do evangelho. É bom ter isso em mente pois o mundo tem pregado um Deus pacifico demais, bondoso até mesmo em casos extremos onde se exige o mínimo de justiça e não tolerância. (v. 16)

Enfim temos portanto um breve manual de como sermos parte dessa missão, lembrando apenas duas coisas: 1 – Não precisamos receber chamado vindo de mensageiros ou pastores ou líderes poderosos para a missão pois, o próprio Jesus nos chama e nos envia portanto, ninguém é maior do que ele pra dizer que você também precisa fazer isso ou pior, ninguém deve dizer a você que não tem o dom de fazer essas coisas, todos somos chamados e capacitados pelo próprio Espírito Santo a levar as boas novas do evangelho onde quer que estivemos. O mínimo que pode ser exigido é um pouco de conhecimento bíblico e para isso temos acesso a todas as versões e tempo disponível para estudar e aprender o que levar. Outra coisa importante é que uma mensagem pode ser passada por nossas atitudes também, não apenas por textos e palavras bonitas. 2 – Podemos fazer esta missão hoje e aqui mesmo! Algumas pessoas são chamadas para faze-la em outros lugares e países, mas não é uma regra. Temos diversas pessoas próximas precisando ouvir que Jesus a busca, que através do arrependimento sua vida será mudada para sempre!


E assim Jesus enviou setenta e dois discípulos e pediu para que eles clamassem a Deus para que enviasse mais. Você hoje pode ser fruto da oração de um daqueles discípulos! Já pensou na possibilidade? Isso não é fantástico?!

Questões para meditação:

1 – Como eu estou passando a mensagem do evangelho? Qual tem sido a mensagem?
2 – Como eu posso fazer isso no contexto em que vivo?
3 – Porque ainda não comecei?
.
.

Ratings and Recommendations by outbrain