sexta-feira, 29 de junho de 2012

Dançando com a Morte!



Esse rapaz estava andando pela rua, perto da esquina onde morava uma certa mulher. Ele passava por perto da casa dela, ao anoitecer, quando já estava escuro. E aconteceu que essa mulher foi encontrar-se com ele, vestida como uma prostituta e cheia de malícia…” (Provérbios 7.6-10).

Preste muita atenção no texto que você começou a ler em Provérbios, ele fala exatamente de você! Pelo menos até o ponto em que paramos. Esta é uma das muitas parábolas contadas na Bíblia que poucas pessoas entendem, portanto vamos estudar passo a passo as palavras deste fantástico escritor que, querendo ou não contou uma história entre um homem e a morte!

Vamos entender. Um jovem rapaz andava rondando a casa de certa mulher que era casada, certamente ele conhecia os riscos, mas isto não o impedia. Deixava-o cada vez mais excitado. Como assim? Já percebeu que nosso corpo tem uma estranha inclinação para o que é errado? Suamos quando certos perigos estão por perto!

O filho se sente motivado a andar de motocicleta com uma roda só, a menina novinha se sente atraída pelos olhares de todos os rapazes do bairro quando exibe suas intocadas pernas em público, o marido se sente satisfeito ao brincar de forma imoral com a colega de trabalho, enfim. De certa forma nosso corpo se sente bem quando fazemos algo que inevitavelmente desagrada a Deus. Somos em parte como o rapaz da história que estamos lendo, às vezes rondamos a casa de uma prostituta, alguém que não podemos nem pensar, mas estamos lá e isto nos deixa excitados. E uma hora ou outra estes erros caminham em nossa direção…


Ela era espalhafatosa e sem-vergonha e estava sempre andando pelas ruas. Ficava esperando em alguma esquina, às vezes numa rua, outras vezes na praça. Ela chegou perto do rapaz, e o abraçou, e beijou. Então, com um olhar atrevido, disse: – Paguei hoje os meus votos, e a carne dos sacrifícios de gratidão está comigo. Por isso saí procurando você. Eu queria encontrá-lo, e você está aqui!” (Provérbios 7.11-15).
 Nesta parte o Autor nos mostra uma parte da prostituta ou do pecado! Ele é escandaloso, sabe chamar atenção, não se preocupa com o que os outros pensam e simplesmente querem a sua atenção! Diz também que ele ficava só aguardando nas esquinas e ruas da cidade, talvez na sua cidade ele fique em banners espalhados por aí, ou em jornais.

E num instante ele aceitou! Simples e direto. O pecado nos trata bem no início, somos cativados a ouvi-lo, a sermos parte dele para que possamos nos apegar ao erro e nunca mais o largar e assim como a prostituta do texto, nós temos vários motivos para acreditar neles, inventamos várias razões para pecarmos, muitas desculpas para escondermos que estamos simplesmente apaixonados pelo erro, esta é a nossa dança da morte, começamos os leves passos para um triste fim.

Lembra-se da primeira desculpa da humanidade? Ela foi usada para pecar, contra Deus! Satanás deu uma bela desculpa para que Eva abandonasse as ordens de Deus e obedecer as suas palavras, macias e perigosas. Como saber se o mesmo não acontece com nós todos os dias? Como sabemos que o que fazemos e achamos que seja normal simplesmente pode ser o causador da nossa própria morte? 
Vamos continuar vendo o que nosso jovem faz…

“Assim, ela o tentou com os seus encantos, e ele caiu na sua conversa. E, num instante, lá foi ele com ela, como um boi que vai para o matadouro, como um animal que corre para a armadilha, onde uma flecha atravessará o seu coração. Era como um pássaro que entra num alçapão, sem saber que a sua vida está em perigo.” (Provérbios 7.21-23).

A dança com a morte tem o seu clímax! O rapaz ingênuo crê em todas as promessas boas que a prostituta usa e finalmente se rende ao erro. Com uma mulher compromissada ele se deita. 
Compromissada com a morte! Em resumo o que se pode tirar desta incrível história é que.

O salário do pecado é a morte. Mas ninguém caiu de uma vez por todas. Somos instigados, cuidados e preparados para esta terrível dança. Isto acontece todos os dias, toda hora. Em diversas formas de marketing, em filmes, seriados e até mesmo na conversa de pessoas impuras que nos levam a pensar nas mesmas sujeiras que elas estão acostumadas. E quando estamos nos envolvendo, conhecendo o perfume doce do pecado as coisas simplesmente despencam e descobrimos que caminhamos em direção à morte!

Temos muitas mulheres como esta. Espalhadas pelo mundo, algumas se chamam drogas, outras álcool. Temos muitas conhecidas como cigarros e não podemos nos esquecer das chamadas liberdade sexual entre outras! Afinal nenhuma destas te deixará entrar no céu, todas elas atuam para o inferno e será lá que esta triste dança terminará, numa cama quente e triste, onde não haverá mais volta.

Cuidado! Você pode ser um desses jovens inocentes! Jesus disse que somente ele era o caminho a verdade e a vida, portanto qualquer coisa que não esteja ligado a Cristo, estará te desligando do céu.

Se você tem sentido prazer com as coisas que não agradam a Deus e quer se libertar, clame a ele em oração. Um coração contrito pode tocar o coração de Deus. Tenho certeza de que ele te ouvirá e te mostrará um outro caminho a seguir. O caminho do Céu!

“Agora, meu filho, escute! Preste atenção no que vou dizer. Não deixe que uma mulher como essa ganhe o seu coração; não ande atrás dela. Pois ela tem sido a desgraça de muitos homens e tem causado a morte de tantos, que nem dá para contar. Se você for à casa dessa mulher, estará caminhando para o mundo dos mortos, pelo caminho mais curto.” (Provérbios 7.24-27)

Devair da Silva Eduardo



Ratings and Recommendations by outbrain