domingo, 8 de abril de 2018

Há mais que um Deus?

 Passo a Passo para o Reino de Deus

Parte 2 - Capitulo 8

Há mais que um Deus?


[Onde estão os deuses deste mundo?]
Há na Índia mais de 330 milhões de deuses, ou como conhecemos, ídolos; no continente africano as coisas não são tão diferentes, a cada dia descobrimos um ídolo novo pelo mundo afora e por mais incrível que pareça esse número realmente tem crescido, ainda que a eficácia de tantos deuses sejam duvidosas ou completamente nulas (creio que são nulas).

Porém, são os lugares onde mais se adoram, de alguma forma, algum tipo de deus que mais sofrem com a miséria, fome e descaso social. Alguns dias fui questionado sobre o motivo de Deus permitir que isso aconteça. Por que Deus permite a fome e a miséria em locais assim? Ora, eles não tem os próprios deuses? Que eles respondam por si só, afinal mais de 330 milhões de ídolos me parece uma quantia gigantesca de procuras por um deus que seja verdadeiro; mas por que será que nenhum desses lugares apresentam qualidade significativa de vida? Porque só existe um Deus, e eles não O estão buscando. Se esses números te deixam assustados se prepare para descobrir que no Brasil não é tão diferente. Ficou curioso? E seu eu disser que existe uma tendência idólatra até mesmo dentro do protestantismo que tem sido abafado por líderes que se aproveitam do efeito? Se prepare para o texto a seguir!

[O homem como criador de ídolos]
O catecismo maior de Westminster afirma em poucas palavras que “Há um só Deus; o Deus vivo e verdadeiro”. E isso porque a própria palavra de Deus afirma categoricamente a existência de apenas um Deus verdadeiro e vivo, porém muitos outros povos na Bíblia criaram seus próprios deuses, uma procura do homem por um ser que receba autoridade e que governe sobre eles e de certa forma uma maneira desesperada de um povo não escolhido tentar experimentar o que é ter um Deus.

As pessoas que não receberam o dom da salvação estão constantemente tentando criar deuses para si, o ser humano é por si só religioso e quando ignora ou não é alcançado por Deus tem o triste costume de criar ídolos, alguns fazem isso quando percebem que o Deus vivo e verdadeiro não atende às suas expectativas e isso é um dos maiores riscos, uma vez que essa prática nem sempre mostra de forma clara e muitas vezes as pessoas acham estar adorando ao Deus verdadeiro quando na verdade estão criando e adaptando a ideia de um deus à sua própria vontade, negando assim toda autoridade e vontade do Deus verdadeiro. O homem é um criador de ídolos.

[A idolatria no povo de Deus]

Podemos concordar com essas afirmações e até mesmo pregar contra a idolatria, porém precisamos observar com muito cuidado para que nós mesmos não tenhamos criado ou adaptado Deus aos nossos desejos, o motivo é muito claro. Isso nunca dará certo. Mesmo assim a religiosidade brasileira cria a todo instante algum tipo de idolatria, algumas muito bem arquitetadas outras nem tanto. Um exemplo bem fácil de citar é a teologia da prosperidade que coloca como foco principal do culto os bens materiais e a riqueza além de anexar aos seus cultos rituais, objetos e símbolos pagãos fazendo com que a igreja se torne semelhante àquela que Deus castigou com a invasão babilônica.

Outra forma muito comum de idolatria dentro do protestantismo é a busca maior por dons e sinais do que a própria adoração ao Deus verdadeiro, há ainda a busca da igreja pelo emocionalismo, uma sensação momentânea de Deus, porém, vazia de conteúdo.
Formas mais escondidas de idolatria estão nos próprios crentes que por motivos variados procuram a igreja, alguns em busca de cura física outros em busca da realizações de desejos carnais. São formas de idolatria que precisamos tomar cuidado constantemente para que não sejamos levados por estas filosofias vazias. Apesar de sempre ensinado o povo de Deus tem a estranha tendencia a adotar e adorar ídolos pagãos, tem sido assim nos dias de hoje e foi assim na época em que o profeta Jeremias alertava o povo de Israel.
Ó Israel, ouça esta palavra do Senhor para você! Assim diz o Senhor: “Não se comportem como as outras nações, que tentam ler seu futuro nas estrelas. Não tenham medo de suas previsões, ainda que elas encham outras nações de terror. Os costumes dessas nações são inúteis: cortam uma árvore, e dela o artesão esculpe um ídolo – Mas o Senhor é o único Deus verdadeiro; ele é o Deus vivo e o Rei eterno! A terra treme com a sua ira; as nações não podem suportar sua fúria. Diga isto àqueles que adoram outros deuses: “Esses deuses, que não fizeram os céus nem a terra, desaparecerão da terra e de debaixo do céus”. (Jeremias 10.1-3; 10,11)



Deus está sempre nos alertando contra esse tipo de influência pagã e mundana, o mesmo acontece hoje, somos alertados constantemente se estivermos em contato com sua palavra e Deus nos ajuda a lutar contra esse desejo estranho de aceitar ou adorar um deus pagão, porém, conforme o homem se afasta da palavra de Deus este pecado pode dominar o crente e nós tendemos a cair espiritualmente, como nos dias do rei Josias em que a palavra de Deus estava perdida dentro do templo, observe que ela não estava apenas esquecida, eles haviam perdido a palavra de Deus dentro do templo que àquela altura estava completamente inundada em adoração a deuses pagãos incluindo o sacrifício de crianças à terrível adoração ao ídolo Moloque, grotesca cerimônia onde colocavam crianças inocentes aos braços de uma estátua de bronze aquecida com fogo, a vítima literalmente derretia nas mãos da terrível estátua do deus Moloque. Para mais informações sobre esta fase de Israel leia 2 Reis 22,23.

[O Deus verdadeiro x os ídolos] 
Continuamos sendo o povo de Deus e corremos os mesmos riscos, há apenas um Deus, porém o mundo cria ídolos que podem ser atrativos demais e alguns até mesmo convincentes como foi na época em que o povo esquecendo a palavra de Deus adotou-os e incluiu ao templo, evitamos isso quando descobrimos que o nosso Deus, é o único Deus vivo e verdadeiro, Jeremias ensina isso de forma a contrastar o Deus verdadeiro aos ídolos criados pelo homem. Comparemos brevemente aqui também.

Existem ídolos para todo tipo de coisa, alguns ídolos atendem apenas ao amor, à paixão, outros às causas naturais da terra e é possível que até mesmo as catástrofes naturais sejam fragmentadas em ídolos, por exemplo, um é o deus do sol, outro da lua e outro ainda do trovão. Os homens criam ídolos que atendem às suas necessidades, alguém a quem eles vão clamar. Logo se precisam de chuva, criam um deus da chuva e clamam por ele. Existem deuses de guerra e outros de paz, enfim, o homem tenta de alguma maneira adaptar seu desejo a um ídolo. Para estes Jeremias lembra que só o nosso Deus “é o único Deus verdadeiro; ele é o Deus vivo e o Rei eterno!”. Ou seja, o nosso Deus é o causador e criador de todas as coisas, é um Deus com todas as qualidades possíveis, o Deus vivo! Logo não precisamos de um ídolo para orar por chuva e outro por sol pois, o mesmo Deus vivo cuida de ambas as coisas. Algumas pessoas consultam o céu quanto às coisas do futuro e se esquecem de que Deus é o Deus vivo e capaz de cuidar de nós tanto no presente quanto no futuro e quanto às catástrofes naturais, as quais os ídolos não conseguiam dar conta Jeremias nos lembra que “a terra treme com a sua ira; as nações não podem suportar sua fúria.”, ou em palavras mais simples, Deus está no controle de todas as coisas e até mesmo a natureza sente o poder da sua ira. O que diremos então das nações? Aquelas que tentam a todo custo criar e adaptar deuses? Elas não podem suportar a ira de Deus pela sua própria culpa. Teriam alguma chance se, ouvindo a Palavra dessem ouvidos à sua mensagem.

O apóstolo Paulo usa da mesma forma de ensinar quando questionado sobre comidas sacrificadas a ídolos, vale muito lembrar suas palavras uma vez que elas falam para todos os tempos, leiamos:
“Então, o que dizer quanto ao alimento oferecido a ídolos? Bem, todos nós sabemos que, na verdade, o ídolo nada vale neste mundo, e que há somente um Deus”. (1 Coríntios 8.4).

Uma dupla afirmação que visa responder ao questionamento dos alimentos e afirmar que na verdade um ídolo não serve para nada e de fato não é nada. Se oferecermos culto a um ídolo o nosso culto é vazio e pecaminoso, porém este não é o único risco que ronda o cristão do século XXI. Paulo continua falando sobre isso e é também de grande valia para nosso aprendizado.

[Os ídolos humanos]
“Sim, é fato que existem os que são chamados de deuses, por assim dizer, nos céus e na terra, e há pessoas que adoram muitos deuses e muitos senhores. Para nós, porém, há somente um Deus, o Pai, por meio de quem todas as coisas foram criadas e para quem vivemos. E há um só Senhor, Jesus Cristo, por meio de quem todas as coisas foram criadas e por meio de quem recebemos vida”. (1 Coríntios 8.5-6).

A adoração idólatra não envolve apenas o homem e algum ídolo criado pelo imaginário humano. Envolve também pessoas que adoram ou rendem graças a seres da terra ou do céu, é uma clássica maneira de idolatria, muito visto em outras religiões, mas constantemente observada no cristianismo moderno. Não apenas isso, mas um tipo de idolatria muito comum em nosso século consiste em fazer de pessoas ainda vivas alvos de adoração ou admiração exagerada, ambas formas contemporâneas de adoração e que tornam seus adoradores passivos de castigo divino. Pense por exemplo, naquele pastor admirado por muitos, imagine o que acontece se você descobrir um erro [heresia] em sua mensagem ou pregação, todos irão aceitar ou você será descartado deste meio social? A exclusão é uma maneira de adoração escondida por detrás de uma admiração. São formas de idolatrias cristãs.

Paulo nos lembra também que existe apenas um Deus ao qual devemos adorar. Aqui uma citação interessante do Salmo 82.6,7 que vale muito ser mencionado para que nós tenhamos sempre em mente estas verdades: “Eu digo: ‘vocês são deuses, são todos filhos do Altíssimo. Morrerão, porém, como simples mortais e cairão como qualquer governante’”. Justo para nos lembrar que tais pessoas aclamadas pelo público e adoradas por aquilo que “parecem” ser terão a mesma morte que eu e você, ou seja, não há deuses na terra, muito menos pessoas dignas de receberem alguma adoração ou exagerada admiração, todos nós somos iguais, alguns com algum poder, outras com nada, mas ambos morreremos da mesma forma.

[Conselho final]
Portanto a melhor coisa a fazer é fugir da idolatria, ela toma aos poucos a nossa adoração ao Deus verdadeiro e vivo, àquele que é o autor da nossa salvação, ao único que devemos prestar não apenas culto, mas a nossa própria vida em culto. Com as palavras do apóstolo João: “E sabemos que o Filho de Deus veio e nos deu entendimento para que conheçamos ao Deus verdadeiro. Agora, vivemos em comunhão com o Deus verdadeiro, porque vivemos em comunhão com seu Filho, Jesus Cristo. Ele é o Deus verdadeiro e é a vida eterna. Filhinhos, afastem-se dos ídolos”. (1 João 5.20,21).

Termino esse pequeno estudo com a pergunta que inciamos: Há mais que um Deus? - Permita que Ele mesmo lhe responda:
“Ouça, ó Israel! O Senhor, nosso Deus, o Senhor é único! Ame o Senhor, seu Deus, de todo o seu coração, de toda a sua alma e de toda a sua força”. (Deuteronômio 6.4,5)

Devair S. Eduardo
Versão bíblica usada: NVT

Ratings and Recommendations by outbrain