domingo, 20 de outubro de 2013

O homem que rasgou uma era

Já esteve preso a algo e de repente se libertou? Já sentiu aquele ar de liberdade quando respira aliviado? Ao contrário do que parece, ser cristão é experimentar esta sensação todos os dias da vida! Todos os dias acordamos e nos sentimos livres para poder viver!

Vejo muitos cristãos ainda presos a um legalismo passado, e outros não cristãos usando sempre a mesma frase “sua religião não permite isso… ou aquilo”. Mas isso é tão antiquado e passado que particularmente não dou mais ouvidos, a verdade é que somos mais livres do que antes de conhecer Jesus! Quem conhece a vida de Jesus e os projetos iniciados por ele aqui na Terra experimenta a um nível superior ao liberdade, isso porque o mundo sempre foi conduzido por um conjunto de regras e leis e o máximo que elas nos mostram é que nunca conseguiremos seguir todas a risco, portanto nunca seremos completamente corretos!

O mesmo valia para a antiga aliança iniciada no deserto com Moisés e os povos escravizados no Egito, viviam sob um conjunto de regras e leis que no seu intimo eram boas e perfeitas, mas na prática mostrava como o homem estava longe de Deus e como o mesmo era pecador. Primeiro por mostrar à carne como pecar, ele dizia “Não cobiçarás” e então aquele que pecava sem perceber, começou a pecar conhecendo o que estava fazendo sendo assim conduzido à morte. Segundo porque uma vírgula da lei que era desprezada já conduzia à morte ou a separação, mostrando que o homem por natureza era pecador.
A revolução iniciada por Jesus mostrou ao mundo que apesar de estar condenado a uma vida de pecado, Deus daria uma chance única para que as pessoas pudessem chegar até Ele. Se antes o homem caminhava, cambaleante buscando um reino divino e eterno, com Jesus este reino vem sobre aqueles que creem e aguardam um dia poder estar com Deus. Pregado pelo próprio salvador, sua era estava sendo transformada e separada entre o antes e o depois da vinda do reino dos céus!

Quando prenderam João, Jesus se dirigiu à Galiléia para proclamar a boa notícia de Deus. Dizia: - Cumpriu-se o prazo e está próximo o reinado de Deus: Arrependei-vos e crede na boa notícia”. (Marcos 1.14,15 – B.P)

Este Reino, tão esperado pelo homem, não esperou que pela Lei o homem se mostrasse limpo e pronto para entrar num reinado de Paz e Felicidade, Deus, vendo que o homem não poderia, mesmo com a lei, achegar-se a ele limpo e santo decidiu vir em busca do homem, através de um homem que sentiria na pele o que é ser humano, santo, num mundo caído e dominado pelo pecado. Jesus quando veio proclamar o reino de Deus não era um super-homem dotado de grandes poderes e vida inabalável, Jesus sentiu na pele tudo aquilo que sentimos hoje, todo cargo de tentação e dor que o homem moderno sente, ele sentiu e por isso pode oferecer, mesmo assim, ao homem moderno um Reino de paz, o Reino de Deus. Sendo requerida apenas uma coisa como base: Um novo Reino, novas pessoas! Para entrar neste Reino a primeira coisa pedida por Jesus é “Arrependei-vos e crede na boa notícia”. Este não era o antigo arrependimento mostrado através de um pequeno sacrifício de um animal, neste o homem por completo se sacrifica e vive uma novidade de vida, afinal, um reino novo exige pessoas novas, com características do Reino a qual estão sendo inseridas. E como fazer isso num sistema corrompido? O homem por natureza não consegue levar uma vida santa por muito tempo, eu diria, por muitos segundos. Seria necessário algo para cancelar a antiga aliança, que condenava o homem assim que este se mostrasse pecador. Jesus cumpriu isto com perfeição, mostrando-se completo Sumo sacerdote e ao mesmo tempo Perfeita Oferta em favor daqueles que o amam.

“A lei é sombra dos bens futuros, não a cópia da realidade. Com os mesmos sacrifícios oferecidos periodicamente a cada ano, ela nunca pode tornar perfeitos os que se aproximavam [de Deus]. Pois, se os tivesse purificado definitivamente, os que prestam culto, ao não ter consciência de pecado, teriam cessado de oferecê-los.  Ao contrário, com eles [sacrifícios] renovam-se a cada ano a lembrança dos pecados, já que o sangue de touros e de bodes não pode perdoar pecados. Por isso [Jesus] diz a entrar no mundo: Não quiseste sacrifícios, nem oferendas, mas me formaste um corpo. Não te agradaram holocaustos nem sacrifícios expiatórios. Então ele [Jesus] disse: Estou aqui, vim para cumprir, ó Deus, a tua vontade como está escrito de mim no livro.” (Hebreus 10.1-7 – B.P. entre colchetes adição minha).

Ao vir ao mundo Jesus se mostrou pronto para cumprir aquilo que Deus tinha para ele, uma oferta para todo aquele que crer no seu santo nome, através de Cristo todo fomos aperfeiçoados, preparados para estarmos com Deus neste grande Reino, que inicia-se na Terra e conclui no retorno de Cristo, quando o fim desta era para e da início a uma eterna e perfeita. “Pois, segundo essa vontade, ficamos consagrados, pela oferta do corpo de Jesus Cristo, feita uma vez para sempre”. (Hebreus 10.10 – B.P)

Jesus rasgou uma era marcada pelo domínio da lei e não pelo criador dela, sendo ele mesmo ultimo e único sacrifício a Deus por todos os pecados do homem, Jesus se mostrou perfeito Sumo sacerdote o qual intercede por todos os que se achegam a ele, a lei que excluía os homens da presença de Deus foi transformada por Cristo em um convite a entrar em sua presença com coragem e confiança, pois somos aceitos através do sacrifício de Jesus. Como diz as escrituras:

Visto que temos um sumo sacerdote excelente, que penetrou no céu, Jesus, o Filho de Deus, mantenhamos nossa confissão. O sumo sacerdote que temos não é insensível à nossa fraqueza, já que foi provado como nós em tudo, exceto no pecado. Portanto, compareçamos com confiança [ousadia] diante do tribunal da graça, para obter misericórdia e alcançar a graça de um auxílio oportuno” (Hebreus 4.14-16 – B.P) e ainda “Pelo sangue de Jesus, irmãos, temos livre acesso ao santuário, pelo novo e vivo [caminho] que inaugurou para nós através da cortina, ou seja, de seu corpo” (Hebreus 10.19 – B.P).

Portanto, livres do poder da lei sobre o pecado, todo homem que professa Cristo como salvador tem liberdade de entrar na presença de Deus sem ter que passar por outro caminho que não seja ele mesmo. Acesso direto e liberdade da lei! Tal ensinamento é perigoso em mãos erradas e por isso negligenciado porque age como pressuposto em favor daqueles que amam o pecado! Você está livre para chegar à presença do seu Deus, mas o pecado ainda o impede de fazer, por isso em toda parte do texto encontramos a exortação “arrependei-vos” ou “de coração sincero”.  O arrependimento, naquele que está em Cristo age de forma natural, sem necessidade de outro sacrifício. Pecamos e já estamos arrependidos por ter cometido tal ato. Pensamentos que justificam uma vida de amor ao pecado, não provém do filho de Deus e sim da própria morte agindo através de Satanás. Aquele que entra na presença de Deus, abomina o pecado, mesmo sendo pecador e tem liberdade de chegar ao trono da graça com coração sincero, arrependido de ter pecado e é aceito!

Visto todas estas coisas, onde você se encontra? Numa era antiga onde a morte operava através do pecado? Numa nova era onde através de Jesus, nosso sumo sacerdote, perfeitamente apto a nos receber, reina ou entre aqueles que ainda sentem medo de pensar em Deus por ter ouvido sobre seu desamor terrível que consome o homem mesmo que arrependido?

Hora, seja livre! Livre da lei, livre do pecado no sentido de não deixar ele te dominar e não ser mediador entre você e a morte! Cristo abre um novo caminho, uma nova opção! A vida! Chegue-se a Deus, com coração sincero, arrependido e ele mesmo chegará a você!


Deus te abençoe.


Ratings and Recommendations by outbrain